sexta-feira, 28 de abril de 2017

Santa Gianna Beretta Molla



Gianna Beretta nasce em Magenta (Milão, Itália) aos 04 de outubro de 1922. Desde sua primeira juventude, acolhe plenamente o dom da fé e a educação cristã, recebidas de seus ótimos pais. Esta formação religiosa ensina-lhe a considerar a vida como um dom maravilhoso de Deus, a ter confiança na Providência e a estimar a necessidade e a eficácia da oração.

Durante os anos de estudos e na Universidade, enquanto se dedicava diligentemente aos seus deveres, vincula sua fé com um compromisso generoso de apostolado entre os jovens da Ação Católica e de caridade para com os idosos e os necessitados nas Conferências de São Vicente. Laureada em medicina e cirurgia em 1949 pela Universidade de Pavia (Itália), em 1950 abre seu consultório médico em Mêsero (nos arredores de Milão). Especializa-se em pediatria na Universidade de Milão em 1952 e, entre seus clientes, demonstra especial cuidado para as mães, crianças, idosos e pobres.

Enquanto exercia sua profissão médica, que a considerava como uma «missão», aumenta seu generoso compromisso para com a Ação Católica, e consagra-se intensivamente em ajudar as adolescentes. Através do alpinismo e do esqui, manifesta sua grande alegria de viver e de gozar os encantos da natureza. Através da oração pessoal e da dos outros, questiona-se sobre sua vocação, considerando-a como dom de Deus. Opta pela vocação matrimonial, que a abraça com entusiasmo, assumindo total doação «para formar uma família realmente cristã».

Inicia seu noivado com o engenheiro Pedro Molla. Prepara-se ao matrimônio com expansiva alegria e sorriso. Ao Senhor tudo agradece, e ora. Na basílica de São Martinho, em Magenta, casa aos 24 de setembro de 1955. Transforma-se em mulher totalmente feliz. Em novembro de 1956, já é a radiosa mãe de Pedro Luís; em dezembro de 1957 de Mariolina e, em julho de 1959, de Laura. Com simplicidade e equilíbrio, harmoniza os deveres de mãe, de esposa, de médica e da grande alegria de viver.

Em setembro de 1961, no final do segundo mês de gravidez, vê-se atingida pelo sofrimento e pela dor. Aparece um fibroma no útero. Antes de ser operada, embora sabendo o grave perigo de prosseguir com a gravidez, suplica ao cirurgião que salve a vida que traz em seu seio e, então, entrega-se à Divina Providência e à oração. Com o feliz sucesso da cirurgia, agradece intensamente a Deus a salvação da vida do filho. Passa os sete meses que a distanciam do parto com admirável força de espírito e com a mesma dedicação de mãe e de médica. Receia e teme que seu filho possa nascer doente e suplica a Deus que isto não aconteça.

Alguns dias antes do parto, sempre com grande confiança na Providência, demonstra-se pronta a sacrificar sua vida para salvar a do filho: «Se deveis decidir entre mim e o filho, nenhuma hesitação: escolhei - e isto o exijo - a criança. Salvai-a». Na manhã de 21 de abril de 1962 nasce Joana Manuela. Apesar dos esforços para salvar a vida de ambos, na manhã de 28 de abril, em meio a atrozes dores e após ter repetido a jaculatória «Jesus eu te amo, eu te amo» morre santamente. Tinha 39 anos. Seus funerais transformaram-se em grande manifestação popular de profunda comoção, de fé e de oração. A Serva de Deus repousa no cemitério de Mêsero, distante 4 quilômetros de Magenta, nos arredores de Milão (Itália).

«Meditata immolazione» (imolação meditada), assim Paulo VI definiu o gesto da Beata Gianna recordando, no Ângelus dominical de 23 de setembro de 1973, «uma jovem mãe da Diocese de Milão que, para dar a vida à sua filha sacrificava, com imolação meditada, a própria». É evidente, nas palavras do Santo Padre, a referência cristológica ao Calvário e à Eucaristia.

Foi beatificada por João Paulo II no dia 24 de abril de 1994, no Ano Internacional da Família, e canonizada também por João Paulo II em 16 de maio de 2004. Sua festa litúrgica é 28 de abril.

A filha que nasceu do sacrifício de Santa Gianna chama-se Joana Emanuela. Por ocasião da canonização de sua mãe, ela fez um pronunciamento do qual se destaca o seguinte: "Sinto em mim a força e a coragem de viver, sinto que a vida me sorri". Em seguida, rendeu eterna homenagem à mãe dizendo: "dedicando a minha vida à cura e assistência aos anciãos".

Os dois milagres para a beatificação e canonização de Santa Gianna Beretta Molla aconteceram no Brasil. O primeiro foi em Grajaú, no Maranhão, em 1977, num hospital, fundado por um irmão seu, sacerdote, onde a própria Santa Gianna gostaria de ter vindo prestar seus serviços como médica e missionária. O segundo aconteceu em Franca, SP, quando uma gestante cujo filho corria perigo de morte em seu útero, por ausência total de líquido amniótico desde o terceiro mês de gravidez. A mãe, Elisabete Arcolino Comparini, como Santa Gianna, não quis abortar, assumindo todos os riscos e pedindo a intercessão de Santa Gianna. A gravidez progrediu sem líquido amniótico, o que, por si só, não tem explicação científica. Ao final da gravidez, o bebê nasceu perfeito e foi aceito pela Igreja como milagre válido para a canonização de Santa Gianna.

Santa Gianna, rogai por nós e por nossas famílias!

domingo, 16 de abril de 2017

Carta aos médicos católicos do mundo



“A RELAÇÃO DO MÉDICO COM A MORAL



Pelo Dr. José Maria Simón, Presidente da Federação Internacional de Associações Médicas Católicas (FIAMC)

Distintos colegas:

A relação do médico com a moral nem sempre foi fácil. Muitos companheiros de diversos países pedem algumas reflexões que os ajudem a exercer a profissão médica com segurança moral. Um dos requisitos desta segurança moral é consultar frequentemente especialistas para iluminar a consciência profissional. Esta, para ser eficazmente humana, deve ser bem formada e estar correctamente informada e deve ser frequentemente afinada na sua procura permanente da verdade. Nos últimos tempos, dada a natureza das respostas dos especialistas, é conveniente fazer algumas precisões sobre a qualidade e o alcance das mesmas.

A LEI NATURAL EXISTE


A lei natural é a capacidade que a recta razão humana tem para conhecer e aderir à verdade. Há que notar que nenhum profissional contacta tanto com a existência desta lei como o médico.
Embora a lei natural não coincida com a lei biológica, sabemos perfeitamente que se desvalorizarmos a fisiologia humana, por exemplo, os nossos pacientes passarão mal. Ninguém pode, por exemplo, comer pedras sem transgredir as leis do nosso corpo e, como tal, adoecer. Isto pode ajudar-nos a compreender que há também uma lei que nos ajuda a valorizar a dignidade humana. Todos “sabemos” que matar um ser humano inocente está errado. Ou que roubar está errado. Sabemos que se não considerarmos o ser humano como um ser psicológico, espiritual, familiar e social, a nossa missão de transformar o sofrimento em bem-estar (os médicos são como os nazarenos, como cireneus, que ajudam a suportar o peso da doença e da dor) não alcançará nunca plenamente os seus objectivos.

Apesar de que maioria absoluta dos habitantes do planeta Terra acredite num Ser Supremo, nas sociedades ocidentais, muitos pensadores e opinion makers não acreditam. Também a eles podemos dar razões naturais do que é bom ou mal para o ser humano. E, por vezes, será com estas razões que entenderão a excelência do nosso pensar.

Vista a existência da “lei natural”, dada a sua complexidade (embora algumas normas sejam bem simples) e sendo óbvio que os seres humanos padecem desde Adão sérias limitações, podemo-nos perguntar se há alguma última instância que interprete correctamente esta lei. Inúmeros graus jurisdicionais intermédios ajudam ou perturbam a percepção da lei. A nossa última instância pessoal é a nossa consciência profissional pessoal, que será o que desencadeará as decisões sobre os actos médicos. De facto, cada um com a sua própria razão pode chegar muito longe na procura da verdade. Mas existe uma instância segura, autêntica e objectiva, e portanto útil e boa, de interpretação geral da lei, algo que nos impede de cometer grandes erros para com o ser humano e que ainda procura a felicidade transcendente das pessoas.

Deus é o Criador do Universo e do Homem. E, como referiu alguma constituição política, Deus fez o homem livre. Livre de escolher a verdade e o bem. Mas também livre de optar pelo mal. A experiência indica que o bem e o mal se misturam num sem fim de tonalidades no interior da nossa sanidade. Se o mal existe, existe também a confusão, o erro. Tanto o erro culpável como o não-culpável (os quais devemos combater!). É possível que algumas pessoas estejam empenhadas em expandir a confusão. Além disso, o mal pode constituir verdadeiras “estruturas de pecado”, lugares, estabelecimentos ou leis que não sejam adequadas ao ser humano.

A IGREJA INTERPRETA A LEI NATURAL

O nosso Criador definiu que fosse a Igreja a interpretar de maneira autêntica a “lei natural”. Salvaguarda ainda tudo aquilo que Ele mesmo Revelou e que não se encontra na natureza. Os seres humanos estão neste mundo de passagem e à prova, afastados até certo ponto de Deus mas, de modo algum, abandonados. No Pai-Nosso dizemos “Pai nosso que estais no Céu”, o que já indica que nós estamos noutro nível, num não-Céu. “Venha a nós o vosso Reino” e “livrai-nos do mal” indicam-nos claramente que existe um estado melhor que pode vir e que ainda não veio plenamente e que o Criador tudo pode. Para não ficarmos sós, dispomos do serviço que nos brinda o Magistério da Igreja. A Igreja fala com a linguagem humana (e em diferentes idiomas) sobre tudo o que acontece ao Homem.

Outra verdade que entende a nossa experiência própria e histórica é a realidade do progresso da Medicina. E isso independentemente de ter havido avanços, retrocessos e assimetrias, conforme os países e as culturas. Os seres humanos têm imensas surpresas por descobrir na natureza e são capazes de inventar e construir uma infinidade de coisas, o que faz do viver uma experiência apaixonante e inacabada.

O progresso deveria avançar com as duas pernas: ciência e ética. Nos últimos anos, o nome e o conteúdo de uma suposta nova disciplina tem vindo a ganhar importância, a Bioética. Pessoalmente, acho que os médicos já dispunham, muitos anos antes, de disciplinas equivalentes. Recentemente li livros de Moral médica e de Deontologia profissional dos princípios do século passado e não deixam de ser tratados de Bioética…

O MAGISTÉRIO ACOMPANHA O PROGRESSO DA MEDICINA


O progresso da Medicina tem vindo a ser acompanhado pela presença do Magistério da Igreja. As novas técnicas, as novas descobertas, interpelam os médicos, os quais encontram apoio no Magistério. Apoio é segurança. A segurança moral é necessária no exercício da nossa profissão. O Magistério ilumina a consciência profissional para que se possa exercer o bem, adaptando-se aos tempos e momentos dos avanços. O Magistério intervém, depois de ter em conta os dados obtidos pelas ciências experimentais. Não nos poupa o esforço de estudar o mundo por nós mesmos. Pelo contrário, incita-nos a tal.

O sentido comum eclesial diz-nos que, se todas as pessoas baptizadas pertencem à Igreja e oferecem o seu grãozinho de areia, quem exerce o Magistério da Igreja é o Papa e os bispos em comunhão com ele. Não pode ser de outra maneira. O Todo-Poderoso fez-se um de nós e deixou alguns representantes, age quando quer e como quer, mas adapta-se à lógica inscrita por Ele próprio. Não é razoável que qualquer um ou de qualquer maneira crie um Magistério ou pretenda interpretar autenticamente a “lei natural”.

Assim, quando surge um documento papal ou episcopal sobre um tema de interesse próprio da profissão, o médico católico deveria olhar criticamente para a legião de teólogos moralistas que o interpretam e reinterpretam em diversos meios de comunicação. Como se o Papa não escrevesse com clareza! Como se os médicos católicos não pudessem entender por si próprios! Não se pode ofender a inteligência dos profissionais nem da população em geral. Já sei que alguns teólogos têm a protecção de inúmeras publicações, são professores de universidades de prestígio desde há anos ou mantêm laços de amizade connosco. A emoção pode derrubar mentes ricas e bem organizadas e, pelo contrário, também pode fazer entender por outra via aquele que não entende pela via da razão.

O comum dos mortais compreende o provérbio que diz “onde há patrão, não manda marinheiro”. Tal deveria ser suficiente para calar quem desempenha descaradamente funções que não lhe são devidas.
É fundamental ter em conta que, tal como acontece no caso das aparições ou revelações pessoais, o público na Igreja privilegia os ensinamentos privados. Assim, os ensinamentos públicos da Igreja sobre os temas que nos afectam têm sempre prioridade e veracidade. Os ensinamentos privados de teólogos têm de ser postos em quarentena se contradisserem o Magistério. Inclusive se parecerem contradizê-lo. Um dos princípios da comunicação na Igreja é o da clareza ou não-contradição. Na Igreja não há segredos. As grandes verdades são públicas e claras (temo-las no Catecismo da Igreja Católica). Quando se anuncia um mistério, clarifica-se a sua qualidade de mistério.

A vida das pessoas na Terra visa o seu destino eterno. Não se pode medir o homem apenas em duas dimensões. A terceira dimensão, a que aponta para cima, é a que dá volume às nossas vidas.

Um caso exemplar

Trata-se de uma declaração de especialistas sobre a possível licitude da transferência de núcleo alterado de um óvulo para obter células-mãe. Alterar-se-ia de tal forma o material genético de uma célula que o produto resultante da introdução deste material num óvulo e a sua activação não originaria um ser humano. Seria algo semelhante à mola hidatiforme, que também provém do óvulo e espermatozóide alterados, neste caso de forma natural.

A exemplaridade do caso deve-se à inteligência de considerar a possibilidade, à maneira de expressar prudentemente opiniões, à sinceridade dos envolvidos ao admitir que cada um é especialista apenas numa parte e que não falam em nome da sua Igreja ou entidade de trabalho, e ao facto de proporem começar as investigações com animais.

AO TOMAR DECISÕES HÁ QUE ENQUADRAR O PROBLEMA

São muitas as ocasiões em que os médicos católicos se vêem perante dilemas morais e têm que tomar decisões. Por isso, é importante saber distinguir entre o bem e o mal, algo que é impossível fazer à margem da Igreja (as coisas são como são).

Ao tomar decisões, será bom ter em conta o velho princípio “primum non nocere” (primeiro, não causar dano) e o evangélico princípio “não mais cargas do que as necessárias”. Também o de trabalhar com excesso de bem. Tal permite-nos ir muito mais além ao enfrentar os problemas com a humanidade.

Apesar de não sermos habitualmente responsáveis pelo mal de terceiros nem por trabalharmos em estruturas de pecado, jamais devemos perder a força dos ideais da juventude, a frescura de querer mudar as coisas por mais enraízadas que pareçam ou a crença de que nunca estamos sós.
Antes de tomar decisões, o médico toma uma posição perante o problema concreto. É bom enquadrar as coisas no sentido amplo (o “frame”), partindo de uma antropologia sã. Recordo aquela ocasião em que fui convidado por um meio de comunicação de massas para um debate sobre a inseminação artificial nos casais lésbicos. Era suposto as diferentes opiniões estarem equilibradas. Porém os convidados eram um activista gay, uma lésbica, um bissexual, um libertino e um heterossexual. Além disso, o apresentador e as reportagens de apoio estavam a anos luz do pensamento do minotário heterossexual. Questionada a direcção do programa por tão absurda manipulação, tive que ouvir que tudo tinha sido pensado desde a mais estricta paridade de opiniões…
Neste caso, o enquadramento do tema não é se aquele tipo de casais tem ou não direito à inseminação ou se há casais heterossexuais que maltratam os seus filhos. A perspectiva ampla pode ajudar um profissional de fertilidade a exercer a objecção de consciência. E o ideal, e com milhões de esposos e crianças que são e foram felizes, é que os filhos nasçam naturalmente na família, homem e mulher. É nessa direcção que o debate deve ser conduzido porque é aí onde reside a realidade.

PODE-SE FAZER UM MAL PARA OBTER UM BEM?

Ainda que geralmente os problemas nas decisões médicas não se costumem apresentar como males que produzem bens, certo é que esta é a chave da questão em numerosas ocasiões. E o princípio de jamais fazer um mal para obter um bem (o fim não justifica os meios) é básico.
As decisões médicas são actos morais. Muitas vezes a rotina da vida faz com que não as vejamos como tais. Talvez um dia já tenhamos questionado a moralidade de um procedimento ou protocolo, decidimos que era justo e aplicamo-lo em diversos pacientes. Os automatismos fazem parte da natureza e ajudam-nos a viver sem gastar grandes quantidades de energia mental. Contudo, em algumas ocasiões – não apenas nos casos extraordinários – há que estudar atentamente o acto moral.
É útil a tradicional divisão do acto moral em objecto, fins e circunstâncias. Um acto bom requer a bondade simultânea destes três elementos constitutivos da moralidade dos actos humanos. Algumas vezes é necessário aguçar a astúcia para pôr cada coisa no seu sítio e detectar claramente que objecto estamos a avaliar. Definitivamente, do que estamos realmente a falar.

Por exemplo, pode alguém embebedar-se (acto mau) para extrair alguns dentes careados (fim laudável) numa circunstância de ausência de medicina (ambiente favorável ao acto)? Não é aceitar que o fim justifica os meios ou que se pode fazer um mal (embebedar-se) para conseguir um bem (a saúde)? A resposta a este aparente dilema, que pode ser aplicada a muitos outros casos mas não a todos, é que catalogámos o acto como “embriaguez” mas no fundo é um acto “anestésico”. O álcool é um anestésico, ainda que de segunda categoria. A nossa razão prática, com um pouco de formação e de treino, ajudar-nos-á a catalogar cabalmente o acto moral.

Há comportamentos cuja eleição, pela sua natureza, é sempre errada. Por exemplo, no caso do aborto não se pode afirmar que sacrificar o filho para supostamente favorecer a mãe é um acto bom, seja qual for a visão sobre esta questão.

O EFEITO DUPLO

A teoria do efeito duplo está mal vista na Europa devido ao desprestígio dos chamados “danos colaterais” nas guerras recentes. Alguém bombardeia o inimigo e, sem querer, a sua acção afecta civis inocentes. É terrível.

Deste modo, a Medicina mantém-se de pé porque aceitamos a teoria. A quimioterapia pretende eliminar as células cancerígenas à custa de também prejudicar as células saudáveis. Retiramos um útero doente mesmo que a mulher fique infértil para sempre. Vacinamos milhares de crianças mesmo sabendo que algum morrerá devido aos efeitos secundários.

É claro que devemos fazer tudo o que é possível para minimizar os efeitos secundários, da mesma maneira que há que fazer tudo o que é possível para evitar uma guerra. No efeito duplo, não se trata de fazer um mal para conseguir um bem. O mal não se deseja. Surge mudo, quieto e persistente.
No caso do chamado aborto terapêutico ou no eugenésico, para que fique claro que aqui não existe efeito duplo e que quem se combate primeiro é o embrião, João Paulo II afirmou que jamais se pode legitimar a morte de um inocente.

No caso do aborto indirecto, se é legítimo tratar uma mãe mesmo que o efeito secundário esperado seja a morte do embrião ou feto, algumas pessoas têm-nos dado a solução para os problemas morais através do excesso de bondade. É o caso da Dra. Gianna Beretta, que recusou um tratamento para não prejudicar a sua gravidez. Ela morreu e o seu filho está vivo.

O MAL MENOR

Está na moda falar do mal menor como se fosse algo desejável. Mas não. Jamais se pode fazer um mal, por menor que seja ou se considere. O mal é sempre mau. A teoria do mal menor não se refere a fazer mas sim a tolerar. O mal menor é decidido por um terceiro ou terceiros sem que nós tenhamos um papel nessa acção. Temos que tolerar certos males porque não somos Quixotes para podermos arremeter contra tudo e além disso o ser humano é livre, inclusive para utilizar mal esta liberdade. A nossa obrigação é a de nunca praticar o mal. Sempre fazer o maior bem possível. Ao que não nos devemos acostumar é a tolerar os males infligidos a inocentes. Estes males nunca são menores!

A COLABORAÇÃO COM O MAL

Com o mundo, tal como está, devemo-nos questionar frequentemente se evitamos colaborar com aquelas pessoas e estruturas que atentam contra a dignidade do ser humano. Embora possam encontrar outros que colaborem com o mal, que não nos encontrem a nós. Que não nos seja imputável e, se possível, que tentemos conduzir as situações pelo caminho correcto.
Nalgumas ocasiões teremos dúvidas, especialmente se a colaboração for remota. A colaboração remota, ainda que efectiva, não nos é imputável se não a desejarmos. É conveniente evitar o escândalo e não nos deixarmos influenciar. Mas não nos podemos fechar numa redoma de vidro e deixarmos de ser uma boa semente no mundo que nos rodeia.

LIBERDADE E SEGURANÇA MORAL


O médico católico dispõe de uma ampla liberdade para exercer a sua profissão. Estamos dotados de inteligência e devemos aproveitá-la ao máximo. Por outro lado, a segurança de que estamos a agir correctamente (segurança moral) pode ser alcançada com uma formação ética mínima, assistindo ao Magistério e consultando alguns casos junto de colegas mais velhos ou com algum sacerdote de boa doutrina. Milhares de médicos em todo o mundo exercem a medicina diariamente com a tranquilidade de que estão a agir bem.

Os médicos católicos têm grandes modelos onde se apoiar. Não fizeram mais do que identificar-se de forma perfeita com quem encarna o princípio da ética: Christus medicus. São Lucas, São Cosme, São Damião, São Peppino Moscati, Santa Gianna Beretta, São Ricardo Pampuri, o beato Pere Tarrés, o beato László Batthyány-Strattmann, e muitos mais, precederam-nos e converteram-se nos gigantes da Medicina. Curiosamente, muitas vezes os pacientes veneram-nos mais do que nós mesmos, os médicos…


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE TEMAS CONCRETOS


Os preservativos

O “affaire” dos preservativos para evitar o contágio da sida ou uma gravidez não desejada é outra das questões que atraiçoa a mente dos médicos católicos activistas. Mas não nos devemos deixar levar por caminhos que não são os nossos. A sexualidade é uma das dádivas do casamento e dentro deste atinge a sua expressão máxima. Os católicos, no matrimónio, vivem ao limite a sexualidade. A sexualidade fora do mesmo, entre homens ou poligâmica não faz parte da nossa antropologia. Não se pode acusar a Igreja de difundir a sida (esquecem-se quase sempre das outras 29 doenças de transmissão sexual) quando prega a abstinência, a fidelidade e a espera, o que é útil para evitar doenças ou uma gravidez na adolescência. Mas a finalidade primordial da castidade não é anti-epidémica, mas sim promover a virtude e proporcionar felicidade.

É evidente que os médicos católicos, que servem num mundo onde há de tudo e em que muitas vezes as próprias estruturas de saúde estão corrompidas, irão encontrar pessoas que querem continuar a praticar a poligamia sequencial ou a homossexualidade. Não será tarefa simples, num ambiente de boa relação médico-paciente, apresentar-lhes as nossas propostas. Se a pessoa insiste implícita ou explicitamente em continuar as suas práticas, o médico falar-lhe-á da “barreira” mais ou menos imperfeita que é o preservativo, sem o apresentar, e muito menos recomendar como um bem. E se, por último, a pessoa estiver infectada, tratá-la-á com carinho e profissionalismo.

É importante ter em conta que não é missão da Igreja “remediar” os comportamentos incorrectos que o ser humano continua a praticar. Nem, dentro do possível, devemos permitir que os meios de comunicação social nos utilizem para promover condutas indignas.

Há conhecimentos científicos que não se obtêm lendo as secções de ciência dos meios de comunicação. Deste modo, saber que os hermafroditas existem, que o síndrome pós-aborto é frequente e doloroso ou que os homossexuais podem muitas vezes mudar, aprende-se em publicações especializadas ou pela boca de mestres experientes.

É bom ter sempre em mente a antropologia sã, e pensar que os media compreendem melhor o que é simples, vendo-se obrigados a usar títulos que provoquem impacto e raramente conseguem fazer bem um debate moral.

A eutanásia: morrer não é o mesmo que matar


Não se pode deixar de dar assistência a um doente terminal. Não podemos estar na sua pele e não podemos matá-lo. A única coisa digna que podemos fazer é proporcionar-lhe cuidados paliativos de qualidade, os quais devem ter em conta as dimensões biopsicossocial, espiritual e familiar da pessoa. É por este caminho que se deve avançar.

A eutanásia mata a liberdade: trata-se de uma suposta decisão livre que fará com que a pessoa nunca mais tome decisões livres. Nem sequer a tão humana decisão de corrigir. A eutanásia, a sua banalização ou despenalização, é uma questão que se enquadra no lado escuro da profissão de médico, seja ela promovida de que maneira for.

São muito frequentes os casos de consultas sobre se se deve proporcionar ou não tratamentos a doentes terminais. A Medicina não pode negar nunca a hidratação, a nutrição, a higiene, a oxigenação, os medicamentos básicos. Recentemente, um idoso revelou uma insuficiência cardíaca e o comité de ética do seu hospital recomendou apenas um tratamento à base de morfina, à espera da sua morte. Mas o médico que o assistia resolveu o caso com um diurético, oxigénio e digoxina. Verdadeiro sábio o médico que o seguia.



Os contraceptivos orais


Os seres humanos foram criados por Deus notoriamente incompletos. O homem precisa da mulher para se realizar e a mulher precisa do homem também para ser feliz. O homem e a mulher precisam também dos filhos para completar a sua plenitude na família. Os casais têm todos os filhos que podem manter e educar. O número de filhos depende de muitos factores e deveria relacionar-se com a generosidade. As famílias numerosas são uma alegria para a sociedade e para a Igreja. Na minha opinião pessoal, prescindir do outro sexo seria anti-natural num ser humano maduro, a menos que se torne num bem sobrenatural, como sucede com o celibato em nome do Reino. Desde logo, existem motivos de força maior ou imponderáveis que fazem com que uma pessoa não se possa completar com um companheiro.

O acto sexual baseia-se numa energia tal que não deixa ninguém indiferente e tem sempre consequências. Une o homem e a mulher de forma incomparável. A sua concretização deve ocorrer numa contexto de maturidade, compromisso e exclusividade: o matrimónio. O homem e a mulher dão tudo um ao outro, incluindo a capacidade de gerar novas vidas humanas, o que é positivo.
Existem momentos em que, objectivamente, por motivos médicos, sociais, familiares, a responsabilidade dos pais leva-os a evitar um novo nascimento. A possibilidade de tal acontecer já está prevista na “lei natural”. A mulher só é fértil alguns dias por mês. Os métodos naturais de regulação da fertilidade (Billings, sintotérmicos, etc…) permitem utilizar estes períodos inférteis no sentido do casal continuar a manter-se em contacto com as relações sexuais e que com elas superem a impura atracção por outras carnes.

O Papa Paulo IV, na encíclica Humanae vitae, adverte que os médicos e o pessoal da área da saúde devem considerar como próprio dever profissional a procura de toda a ciência necessária neste campo para poder dar aos casais que os consultam sábios conselhos e directrizes saudáveis que é o que deles esperam, como é legítimo.

Os contraceptivos violentam vários direitos humanos: o direito à vida (nos casos da pílula abortiva ou da pílula do dia seguinte), o direito à saúde (têm efeitos secundários, ao contrário dos métodos naturais), o direito à educação (as pessoas têm o direito de conhecer a sua própria fertilidade) e o direito à igualdade entre os sexos (a carga contraceptiva costuma recair sempre sobre a mulher).
Em Julho de 2005, a Agência Internacional para a Investigação do cancro (Lyon, França), da Organização Mundial de Saúde, informou acerca do factor cancerígeno dos contraceptivos orais de estrogénios e progestagénios combinados, baseada nas conclusões de um grupo de trabalho internacional “ad hoc”. Foram classificados como carcinogénios do Grupo I.

Lamentavelmente, caros colegas, hoje em dia não somos capazes de proporcionar métodos naturais a todos aqueles que necessitam. As baixas taxas de fecundidade nos países de maioria católica (Espanha, Itália), juntamente com o pouco conhecimento destes métodos, indicam-nos que muitos casais utilizam os métodos artificiais. Se tivermos em conta que se tratam de países relativamente ricos, não se pode dizer que são generosos no número de filhos. Aqui temos um grande desafio. Jamais devemos apagar a chama que foi acendida em nome dos métodos naturais.
Infelizmente, a contracepção não é o único desafio da Medicina e da sociedade. Nem sequer somos capazes (nem nós nem o conjunto das nações em geral) de proporcionar meios contra a subnutrição, a malária ou a transmissão vertical da sida. Temos os conhecimentos e alguns meios mas não podemos pô-los ao alcance dos necessitados. Trabalho não falta.

Sem julgar os casais que utilizam contraceptivos artificiais – a nossa função não é julgar – não devemos esquecer nunca este dever profissional de oferecer os métodos naturais e de dissuadir dos artificiais. É sinal de progresso compreender bem a natureza e ajudá-la no que é possível. O mundo está inacabado. Temos um trabalho para fazer. E quando o realizamos, o progresso evidencia-se.



O aborto provocado
Há algo pior do que arrancar um filho do ventre da sua mãe? Pode-se explicar a uma criança de cinco anos o aborto provocado? A mulher que perde o filho num aborto espontâneo não chora como se tivesse perdido um filho? Fazem os médicos todo o possível para transformar o sofrimento de uns pais com problemas durante a gravidez numa alegria e felicidade? O médico católico exerce a opção preferencial por parte das mães. Nem a exclusiva, nem a que exclui, mas a preferencial.

O evolucionismo
Sabemos muito pouco acerca do começo físico da espécie humana. Sem cair no cientifismo, há que esperar décadas até que a ciência nos ilumine mais sobre este tema. Não se sabe nem como nem quando uma espécie passa a outra, se é que tal acontece. Grande parte do que foi escrito sobre esta matéria é provisória e incompleta.

A amniocentese

Como sabem, salvo casos muito excepcionais, a amniocentese realiza-se para provocar o aborto no caso de suspeita de uma malformação fetal. Deste modo, como esta prática não se faz pelo bem do feto e da mãe, não pode ser considerado um acto médico correcto.

A reprodução artificial
O médico pode e deve ajudar os casais inférteis, mas não pode substituí-los. Este princípio é muito útil para compreender que, apesar da popularidade das técnicas chamadas de “reprodução assistida”, não podemos ceder às tentações fáceis e lucrativas. Todos os esforços devem concentrar-se em melhorar os estudos de fertilidade dos casais e em tratar o tratável, que é muito. Dada a fixação que muitas clínicas têm com a fecundação in vitro, é conveniente explicar aos casais que não é função dos médicos substituí-los, que as amniocenteses fazem-se quase sempre para abortar filhos defeituosos, que se eliminam embriões que sobram frequentemente, que se congelam filhos.
Os ginecologistas católicos são os heróis da Medicina de hoje. O seu cuidado e promoção são a principal prioridade para as associações de médicos católicos e para a F.I.A.M.C. Os médicos de clínica geral e outros especialistas também podem oferecer sábios conselhos nas questões de fertilidade.

O respeito pelo embrião. As células-mãe.

Sinceramente acredito que a postura mais coerente com os conhecimentos que temos sobre o embrião é o seu escrupuloso respeito, desde a concepção. E é a postura que mais problemas evita. A nossa coerência destaca-se quando defensores das baleias e focas, detractores da pena de morte, activistas dos direitos humanos, filantropos de várias espécies aceitam a destruição do embrião sem pestanejar (sempre com fins terapêuticos, claro).

A concepção dura um tempo, mas o processo já está desencaeado e o respeito pela integridade do embrião começa muito antes: começa com o respeito pela união do homem e da mulher, evitando concepções in vitro. Os seres humanos não devem introduzir o caos na bios.
Comparando com o início do evangelho de S. João, podemos dizer que no início existe o código genético, e o código genético está na vida e o código genético é a vida. Quando existe um código genético humano completo, expressável e que se expressa de maneira contínua, coordenada e gradual, imparável, se não for afectado por factores externos adversos, existe um ser humano único e irrepetível que se deve respeitar. Vem para nós e os seus (nós) devem reconhecê-lo e recebê-lo.
Já se compreende que, embora qualquer célula, por exemplo da nossa pele, contenha o código genético humano completo, não se trata, contudo, de um ser humano. A expressão desse código, que é parcial, faz com que não se trate de um ser humano. É o óvulo fecundado o que já actua como humano! Ao início, somos um código único e irrepetível, rodeado de algumas membranas, ARN, reservas de energia e outros serviços. Até agora, nenhum investigador “criou” vida. Os seres humanos apenas são capazes de transmiti-la, correcta ou incorrectamente.

As células-mãe embrionárias vão dar lugar ao embrião. E as células-mãe adultas servirão para regenerar os tecidos. Simples.
No sentido estricto, o ser humano não tem direito à vida. A vida é um presente que recebemos. Antes de existirmos não éramos nada, e portanto não éramos um sujeito de direitos. Ao que temos direito é que outro ser humano não nos tire a vida!

Caros colegas:
A nossa profissão é talvez a mais admirada no mundo e aquela de que as pessoas mais esperam. Recomendar-vos-ia a que nunca deixem de estudar, que tenham presente a promessa e a oração do médico (www.fiamc.org), que não caiam na tentação de venerar o deus Mammon (o dinheiro) e que considerem a possibilidade de trazer colegas para as associações de médicos católicos já existentes.

Cordialmente,

José Maria Simón
1-XII-2006

Retirei daqui:

http://www.fiamc.org/texts/fiamc-texts/carta-aos-medicos-catolicos-de-todo-o-mundo/

domingo, 26 de março de 2017

XXV Dia Mundial do Doente



MENSAGEM DE SUA SANTIDADE
  PAPA FRANCISCO
 PARA A XXV JORNADA MUNDIAL DO DOENTE 2017

 
(Lourdes, 11 de fevereiro de 2017)
Tema: «Admiração pelo que Deus faz: “o Todo-Poderoso fez em mim maravilhas” (Lc 1, 49)»

Queridos irmãos e irmãs,

No próximo dia 11 de fevereiro, celebrar-se-á em toda a Igreja, e de forma particular em Lourdes, a XXV Jornada Mundial do Doente, sob o tema: «Admiração pelo que Deus faz: “o Todo-Poderoso fez em mim maravilhas” (Lc 1, 49)». Instituída pelo meu predecessor São João Paulo II em 1992 e celebrada a primeira vez precisamente em Lourdes no dia 11 de fevereiro de 1993, tal Jornada dá ocasião para se prestar especial atenção à condição dos doentes e, mais em geral, a todos os atribulados; ao mesmo tempo convida quem se prodigaliza em seu favor, a começar pelos familiares, profissionais de saúde e voluntários, a dar graças pela vocação recebida do Senhor para acompanhar os irmãos doentes. Além disso, esta recorrência renova, na Igreja, o vigor espiritual para desempenhar sempre da melhor forma a parte fundamental da sua missão que engloba o serviço aos últimos, aos enfermos, aos atribulados, aos excluídos e aos marginalizados (cf. João Paulo II, Motu proprio Dolentium hominum, 11 de fevereiro de 1985, 1). Com certeza, os momentos de oração, as Liturgias Eucarísticas e da Unção dos Enfermos, a interajuda aos doentes e os aprofundamentos bioéticos e teológico-pastorais que se realizarão em Lourdes, naqueles dias, prestarão uma nova e importante contribuição para tal serviço.

Sentindo-me desde agora presente espiritualmente na Gruta de Massabiel, diante da imagem da Virgem Imaculada, em quem o Todo-Poderoso fez maravilhas em prol da redenção da humanidade, desejo manifestar a minha proximidade a todos vós, irmãos e irmãs que viveis a experiência do sofrimento, e às vossas famílias, bem como o meu apreço a quantos, nas mais variadas tarefas de todas as estruturas sanitárias espalhadas pelo mundo, com competência, responsabilidade e dedicação se ocupam das melhoras, cuidados e bem-estar diário de todos vós. Desejo encorajar-vos a todos – doentes, atribulados, médicos, enfermeiros, familiares, voluntários – a olhar Maria, Saúde dos Enfermos, como a garante da ternura de Deus por todo o ser humano e o modelo de abandono à vontade divina; e encorajar-vos também a encontrar sempre na fé, alimentada pela Palavra e os Sacramentos, a força para amar a Deus e aos irmãos mesmo na experiência da doença.

Como Santa Bernadete, estamos sob o olhar de Maria. A jovem humilde de Lourdes conta que a Virgem, por ela designada «a Bela Senhora», a fixava como se olha para uma pessoa. Estas palavras simples descrevem a plenitude dum relacionamento. Bernadete, pobre, analfabeta e doente, sente-se olhada por Maria como pessoa. A Bela Senhora fala-lhe com grande respeito, sem Se pôr a lastimar a sorte dela. Isto lembra-nos que cada doente é e permanece sempre um ser humano, e deve ser tratado como tal. Os doentes, tal como as pessoas com deficiências mesmo muito graves, têm a sua dignidade inalienável e a sua missão própria na vida, não se tornando jamais meros objetos, ainda que às vezes pareçam de todo passivos, mas, na realidade, nunca o são.

Bernardete, depois de estar na Gruta, graças à oração, transforma a sua fragilidade em apoio para os outros; graças ao amor, torna-se capaz de enriquecer o próximo e sobretudo oferece a sua vida pela salvação da humanidade. O facto de a Bela Senhora lhe pedir para rezar pelos pecadores lembra-nos que os doentes, os atribulados não abrigam em si mesmos apenas o desejo de curar, mas também o de viver cristãmente a sua existência, chegando a doá-la como autênticos discípulos missionários de Cristo. A Bernadete, Maria dá a vocação de servir os doentes e chama-a para ser Irmã da Caridade, uma missão que ela traduz numa medida tão elevada que se torna modelo que todo o profissional de saúde pode tomar como referência. Por isso, peçamos à Imaculada Conceição a graça de saber sempre relacionar-nos com o doente como uma pessoa que certamente precisa de ajuda – e, por vezes, até para as coisas mais elementares – mas também é portadora do seu próprio dom que deve partilhar com os outros.

O olhar de Maria, Consoladora dos aflitos, ilumina o rosto da Igreja no seu compromisso diário a favor dos necessitados e dos doentes. Os preciosos frutos desta solicitude da Igreja pelo mundo dos atribulados e doentes são motivo de agradecimento ao Senhor Jesus, que Se fez solidário connosco, obedecendo à vontade do Pai até à morte na cruz, para que a humanidade fosse redimida. A solidariedade de Cristo, Filho de Deus nascido de Maria, é a expressão da omnipotência misericordiosa de Deus que se manifesta na nossa vida – sobretudo quando é frágil, está ferida, humilhada, marginalizada, atribulada –, infundindo nela a força da esperança que nos faz levantar e sustenta.

Uma riqueza tão grande de humanidade e de fé não deve ficar perdida, mas sim ajudar-nos a enfrentar as nossas fraquezas humanas e, ao mesmo tempo, os desafios presentes em âmbito sanitário e tecnológico. Por ocasião da Jornada Mundial do Doente, podemos encontrar novo impulso a fim de contribuir para a difusão duma cultura respeitadora da vida, da saúde e do meio ambiente; encontrar um renovado impulso a fim de lutar pelo respeito da integridade e dignidade das pessoas, inclusive mediante uma abordagem correta das questões bioéticas, a tutela dos mais fracos e o cuidado pelo meio ambiente.

Por ocasião da XXV Jornada Mundial do Doente, reitero a minha proximidade feita de oração e encorajamento aos médicos, enfermeiros, voluntários e a todos os homens e mulheres consagrados comprometidos no serviço dos doentes e necessitados; às instituições eclesiais e civis que trabalham nesta área; e às famílias que cuidam amorosamente dos seus membros doentes. A todos, desejo que possam ser sempre sinais jubilosos da presença e do amor de Deus, imitando o testemunho luminoso de tantos amigos e amigas de Deus, dentre os quais recordo São João de Deus e São Camilo de Lélis, Padroeiros dos hospitais e dos profissionais de saúde, e Santa Teresa de Calcutá, missionária da ternura de Deus.

Irmãs e irmãos todos – doentes, profissionais de saúde e voluntários –, elevemos juntos a nossa oração a Maria, para que a sua materna intercessão sustente e acompanhe a nossa fé e nos obtenha de Cristo seu Filho a esperança no caminho da cura e da saúde, o sentido da fraternidade e da responsabilidade, o compromisso pelo desenvolvimento humano integral e a alegria da gratidão sempre que Ele nos maravilha com a sua fidelidade e a sua misericórdia:

Ó Maria, nossa Mãe,
que, em Cristo, acolheis a cada um de nós como filho,
sustentai a expectativa confiante do nosso coração,
socorrei-nos nas nossas enfermidades e tribulações,
guiai-nos para Cristo, vosso filho e nosso irmão,
e ajudai a confiarmo-nos ao Pai que faz maravilhas.

A todos vós, asseguro a minha recordação constante na oração e, de coração, concedo a Bênção Apostólica.

Vaticano, 8 de dezembro – Festa da Imaculada Conceição – de 2016.

Francisco

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

STF, aborto e vaquejada



Vejam quanta incoerência: o Supremo Tribunal Federal, extrapolando sua função, que é julgar, não legislar, entendeu, ao arrepio das leis do país, que um embrião humano de 3 meses pode ser abortado, porque é "direito" da mulher decidir sobre o seu corpo.

No seu parecer, o ministro Luís Roberto Cardoso, acompanhado dos ministros Rosa Weber e Edson Fachin, entendeu que os artigos do código penal que criminalizam o aborto violam direitos fundamentais da mulher, a saber: autonomia, integridade física e psíquica, direitos sexuais e reprodutivos e igualdade de gênero. Disse ainda que "o direito à integridade psicofísica protege os indívíduos contra interferências indevidas e lesões aos seus corpos e mentes, relacionando-se, ainda, ao direito à saúde e à segurança. Ter um filho por determinação do direito penal constitui grave violação da integridade física e psíquica de uma mulher".

Ou seja: um filho virou "lesão corporal e mental" e "grave violação física e psíquica".

Com esta decisão, o STF entende que um embrião humano vale menos que um boi de vaquejada; este sim, devidamente protegido pela lei e pelo próprio STF.

Muito triste. A que ponto chegamos...

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Um médico, um sacerdote



San Josemaria Escrivá, fundador do Opus Dei, em um encontro, responde a um médico como evitar a rotina no trabalho: "ter alma sacerdotal".

Lição de vida simples, mas profunda, para todos nós...



segunda-feira, 3 de outubro de 2016

Bastonário da Ordem dos Médicos de Portugal posiciona-se contra a eutanásia



O atual Bastonário da Ordem dos Médicos de Portugal (equivalente ao nosso Conselho Federal de Medicina junto à Associação Médica Brasileira), José Manuel Silva e seus últimos 4 predecessores assinaram um manifesto contra a eutanásia, o suicídio assistido e a distanásia. Segundo estes, "a eutanásia não é mais do que tirar a vida".

Esta declaração surge na esteira da repercussão do primeiro caso de eutanásia em um adolescente belga, ocorrido este ano.

Na carta, os bastonários afirmam que "o médico que as pratique nega o essencial da sua profissão, tornando-se causa da maior insegurança nos doentes e gerador de mortes inaceitáveis".

Leia a reportagem completa no Observador Portugal.


quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Jovem de 17 anos é o primeiro eutanasiado na Bélgica



Meu Deus, onde vamos parar? Não basta a liberação do aborto na maioria dos países, agora a eutanásia em pessoas sem maturidade, muitas vezes, sequer para escolher a própria profissão?

Deus tenha piedade de nós...

x-x-x-x-x

Jovem de 17 anos de idade se tornou o primeiro menor de idade a ser eutanasiado na Bélgica sob as novas leis, relata a BBC .

A Bélgica é o único país a permitir a eutanásia de menores de idade. De acordo com as leis, estabelecidas em 2014, aqueles que optam para serem considerados para eutanásia devem estar nos estágios finais de uma doença terminal e ter a capacidade racional de tomar decisões. A Holanda também permite a eutanásia de menores a partir de 12 anos de idade.

Comentando sobre o caso, o presidente da comissão federal pela eutanásia da Bélgica, Wim Distelmans, disse à emissora estatal RTBF  que enquanto, felizmente, pouquíssimas crianças são consideradas para eutanásia, isso não significa que elas devam ter negado o direito a uma morte digna.

Um estudo recente mostrou que 81% dos médicos na Bélgica e 86% dos médicos na Holanda conseguiam imaginar uma circunstância em que poderiam realizar uma eutanásia ou suicídio assistido por médico.
Nos EUA, 54% dos médicos eram da opinião de que o suicídio assistido por médico deveria ser permitido, comparado a 47% na Alemanha e no Reino Unido, 42% na Itália, 36% na Espanha e 30% na França.

quarta-feira, 29 de junho de 2016

Testemunho de uma médica católica



No recente Sínodo sobre a Família, ocorrido em outubro de 2015, a Dra Anca-Maria Cernea, Presidente da Associação dos Médicos Católicos de Bucareste (Romênia), apresentou ao Papa Francisco e aos bispos uma posição admirável pela clareza e fidelidade ao ensinamento da Igreja sobre a família, aplicada às complexidades das circunstâncias atuais.


Copiei do excelente blog Luzes de Esperança.

x-x-x-x-x

“Sua Santidade, Padres Sinodais, irmãos e irmãs, eu represento a Associação dos Médicos Católicos de Bucareste.

Eu pertenço à Igreja Católica Greco-Romena.

Meu pai era um líder político cristão, e foi preso pelos comunistas por 17 anos. Meus pais estavam prestes a se casar, mas seu casamento aconteceu 17 anos depois.

Minha mãe esperou todos esses anos pelo meu pai, embora ela nem sabia se ele ainda estava vivo.

Eles foram heroicamente fieis a Deus e a seu compromisso.

O exemplo deles mostra que a graça de Deus pode superar as terríveis circunstâncias sociais e pobreza material.

Nós, como médicos católicos, defendendo a vida e a família, podemos ver que isso, antes de tudo, é uma batalha espiritual.

A pobreza material e o consumismo não são a causa principal da crise da família.

A principal causa da revolução sexual e cultural é ideológica.

Nossa Senhora de Fátima disse que os erros da Rússia se espalhariam por todo o mundo.

Tudo começou sob uma forma violenta, o marxismo clássico, matando dezenas de milhões.


Agora ele está sendo feito sobretudo pelo marxismo cultural.

Há uma continuidade da revolução sexual de Lenin, através de Gramsci e a Escola de Frankfurt, e atualmente com os direitos gays e a ideologia do gênero.

O marxismo clássico pretendia redesenhar a sociedade, através da violenta tomada da propriedade.

Agora, a revolução é mais profunda; ela pretende redefinir a família, a identidade sexual e a natureza humana.

Essa ideologia se autodenomina progressista. Mas isso não é nada mais do que a oferta da antiga serpente, para que o homem assuma o controle, substitua a Deus, para providenciar a salvação aqui, neste mundo.

É um erro de natureza religiosa, é o Gnosticismo.

É tarefa dos pastores reconhecer isso e avisar o rebanho contra este perigo.

“Buscai, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas”

A missão da Igreja é salvar almas. O mal, neste mundo, provém do pecado. Não da disparidade de renda ou “mudança climática”.

A solução é: Evangelização. Conversão.

Sem um crescente controle do governo. Sem um governo mundial.

Estes são hoje os principais agentes que impõem o marxismo cultural em nossas nações, sob a forma de controle populacional, saúde reprodutiva, direitos dos homossexuais, a educação de gênero, e assim por diante.

O que o mundo necessita hoje em dia não é a limitação da liberdade, mas a verdadeira liberdade, a libertação do pecado. Salvação.

Nossa Igreja foi suprimida pela ocupação soviética. Mas nenhum dos nossos 12 bispos traiu sua comunhão com o Santo Padre.

Nossa Igreja sobreviveu graças à determinação e exemplo de nossos bispos em resistir às prisões e o terror.

Nossos bispos pediram à comunidade para não seguir o mundo. Não cooperar com os comunistas.

Agora precisamos de Roma para dizer ao mundo: “Arrependam-se de seus pecados e voltem-se para Deus pois o Reino dos Céus está próximo”.

Não somente nós, leigos católicos, mas também muitos cristãos ortodoxos estão ansiosamente rezando por este Sínodo.

Porque, como dizem, se a Igreja Católica ceder ao espírito deste mundo, vai ser muito difícil para todos os outros cristãos a resistir a ele.”

sábado, 11 de junho de 2016

Medicina e compaixão



O Papa Francisco recebeu em audiência nesta quinta-feira, 9, cerca de 150 diretores das Ordens dos Médicos da Espanha e da América Latina. Para Francisco, uma oportunidade de manifestar reconhecimento e gratidão a todos os profissionais da saúde que, no auxílio aos doentes, podem se tornar uma verdadeira personificação da misericórdia.

“A identidade e o compromisso do médico não se apoia somente em sua ciência e competência técnica, mas principalmente em sua atitude compassiva e misericordiosa aos que sofrem no corpo e no espírito. A compaixão é, de alguma forma, a alma da Medicina. A compaixão não é lástima, é padecer-com”, disse ainda Francisco.

Mas a compaixão nem sempre é bem vista na atual cultura tecnológica e individualista, ressaltou o Santo Padre. Ele chamou a atenção para a existência de pessoas que se escondem atrás de uma suposta compaixão para justificar e aprovar a morte de um doente. “Não, a verdadeira compaixão não marginaliza ninguém, não o humilha e nem o exclui, nem muito menos considera como algo bom o seu desaparecimento (…) Eu gosto de abençoar as mãos dos médicos como sinal de reconhecimento a esta compaixão que se torna carícia de saúde”, frisou o Papa.

Francisco observou que a tradição médica cristã sempre se inspirou na parábola do Bom Samaritano. É uma forma de se identificar com o amor do Filho de Deus que passou fazendo o bem e curando todos os oprimidos. “Quanto bem faz à Medicina pensar e sentir que a pessoa doente é nosso próximo, que é de nossa carne e sangue, e que em seu corpo dilacerado se reflete o mistério da carne do próprio Cristo!”

O Papa aconselhou o grupo de médicos a entender bem a recomendação de São Camilo de Lellis ao tratar os doentes: “Ponham mais coração nas mãos”. “A fragilidade, a dor e a enfermidade são uma provação dura para todos, inclusive para os médicos, são um chamado à paciência e ao padecer-com. Por isso, não se pode ceder à tentação funcionalista de aplicar soluções rápidas e drásticas, movidos por uma falsa compaixão ou por meros critérios de eficiência e redução de custos. Está em jogo a dignidade da vida humana. Está em jogo a dignidade da vocação médica”, sublinhou o pontífice.

Francisco agradeceu a todos os presentes pelos esforços que realizam para tornar dignos todos os dias de sua profissão e por acompanharem, cuidarem e valorizarem o dom que as pessoas doentes significam.

Fonte: Canção Nova

terça-feira, 17 de maio de 2016

Associação Americana de Pediatria fulmina a ideologia de gênero



A Associação Americana de Pediatria em seu site fulminou a ideologia de gênero em um comunicado muito técnico e sensato. Os autores, Michelle Cretella, Quentin Van Meter e Paul McHugh, afirmaram categoricamente que a ideologia de gênero é nociva às crianças e que todos nós nascemos com um sexo biológico, sendo os fatos, e não uma ideologia, que determinam a realidade.

Leia o comunicado na íntegra:

A Associação Americana de Pediatras urge educadores e legisladores a rejeitarem todas as políticas que condicionem as crianças a aceitarem como normal uma vida de personificação química e cirúrgica do sexo oposto. Fatos, não ideologia, determinam a realidade.

1. A sexualidade humana é um traço biológico binário objetivo: "XY" e "XX" são marcadores genéticos de saúde, não de um distúrbio. A norma para o design humano é ser concebido ou como macho ou como fêmea. A sexualidade humana é binária por design, com o óbvio propósito da reprodução e florescimento de nossa espécie. Esse princípio é auto-evidente. Os transtornos extremamente raros de diferenciação sexual (DDSs) — inclusive, mas não apenas, a feminização testicular e hiperplasia adrenal congênita — são todos desvios medicamente identificáveis da norma binária sexual, e são justamente reconhecidos como distúrbios do design humano. Indivíduos com DDSs não constituem um terceiro sexo.

2. Ninguém nasce com um gênero. Todos nascem com um sexo biológico. Gênero (uma consciência e percepção de si mesmo como homem ou mulher) é um conceito sociológico e psicológico, não um conceito biológico objetivo. Ninguém nasce com uma consciência de si mesmo como masculino ou feminino; essa consciência se desenvolve ao longo do tempo e, como todos os processos de desenvolvimento, pode ser descarrilada por percepções subjetivas, relacionamentos e experiências adversas da criança, desde a infância. Pessoas que se identificam como "se sentindo do sexo oposto" ou "em algum lugar entre os dois sexos" não compreendem um terceiro sexo. Elas permanecem homens biológicos ou mulheres biológicas.

3. A crença de uma pessoa, que ele ou ela é algo que não é, trata-se, na melhor das hipóteses, de um sinal de pensamento confuso. Quando um menino biologicamente saudável acredita que é uma menina, ou uma menina biologicamente saudável acredita que é um menino, um problema psicológico objetivo existe, que está na mente, não no corpo, e deve ser tratado como tal. Essas crianças sofrem de disforia de gênero (DG). Disforia de gênero, anteriormente chamada de transtorno de identidade de gênero (TIG), é um transtorno mental reconhecido pela mais recente edição do Manual de Diagnóstico e Estatística da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-V). As teorias psicodinâmicas e sociais de DG/TIG nunca foram refutadas.

4. A puberdade não é uma doença e hormônios que bloqueiam a puberdade podem ser perigosos. Reversíveis ou não, hormônios que bloqueiam a puberdade induzem a um estado doentio — a ausência de puberdade — e inibem o crescimento e a fertilidade em uma criança até então biologicamente saudável.

5. De acordo com o DSM-V, cerca de 98% de meninos e 88% de meninas confusas com o próprio gênero aceitam seu sexo biológico depois de passarem naturalmente pela puberdade.

6. Crianças que usam bloqueadores da puberdade para personificar o sexo oposto vão requerer hormônios do outro sexo no fim da adolescência. Esses hormônios (testosterona e estrogênio) estão associados com riscos à saúde, inclusive, mas não apenas, aumento da pressão arterial, formação de coágulos sanguíneos, acidente vascular cerebral e câncer.

7. Taxas de suicídio são vinte vezes maiores entre adultos que usam hormônios do sexo oposto e se submetem à cirurgia de mudança de sexo, mesmo na Suécia, que está entre os países mais afirmativos em relação aos LGBQT. Que pessoa compassiva e razoável seria capaz de condenar jovens crianças a este destino, sabendo que após a puberdade cerca de 88% das meninas e 98% dos meninos vão acabar aceitando a realidade e atingindo um estado de saúde física e mental?

8. Condicionar crianças a acreditar que uma vida inteira de personificação química e cirúrgica do sexo oposto é normal e saudável, é abuso infantil. Endossar discordância de gênero como normal através da rede pública de educação e de políticas legais irá confundir as crianças e os pais, levando mais crianças a serem apresentadas às "clínicas de gênero", onde lhes serão dados medicamentos bloqueadores da puberdade. Isso, por sua vez, praticamente garante que eles vão "escolher" uma vida inteira de hormônios cancerígenos e tóxicos do sexo oposto, além de levar em conta a possibilidade da mutilação cirúrgica desnecessária de partes saudáveis do seu corpo quando forem jovens adultos.

Michelle A. Cretella, M.D.
Presidente da Associação Americana de Pediatras

Quentin Van Meter, M.D.
Vice-Presidente da Associação Americana de Pediatras
Endocrinologista Pediátrico

Paul McHugh, M.D.
Professor Universitário de Psiquiatria da Universidade Johns Hopkins Medical School, detentor de medalha de distinguidos serviços prestados e ex-psiquiatra-chefe do Johns Hopkins Hospital